Monotongação em gótico

Monotongação na linguagem gótica - mudando as regras de leitura. Trata-se das regras de leitura na língua gótica, nomeadamente a leitura dos dígrafos (combinações de vogais).


Dígrafo - combinação de duas vogais, por ex. "au". Monotongo- ler uma combinação de duas vogais como uma, por ex. "au = o". Ditongo- lendo o dígrafo como duas vogais, por exemplo. "au = au."

Existem dois pontos de vista, segundo os quais, os dígrafos ai e au devem ser lidos de acordo com a regra, ou seja, como ditongos, exceto quando estão diante das letras (r, h, ƕ) e também em palavras emprestadas, por exemplo, "aikklesjo" - Ecclesio, de acordo com o análogo grego de "εκκλησία", ou a teoria oposta, que consiste no fato de que todos esses ditongos na época de Wulfila começaram a se reunir ativamente em monotongos, o que, claro, simplifica a leitura em gótico. ​ Atualmente, costuma-se seguir a teoria da monotongação completa e, nos tempos modernos, quando se usa o gótico, é ela que se usa. ​ A justificativa para a teoria: 1) A monotongação destes dígrafos afetou a maioria das línguas germânicas modernas, o que afetou a grafia destas palavras: Gótico Stains = Sueco Sten, Holandês Steen (pedra) Gótico Augo = Sueco Öga, Holandês Oog (olho) Nota: em Alemão tais mudanças não ocorreram: Stein (Stein) - pedra, Auge (Auge) - olho. ​ 2) A grafia de palavras latinas em textos posteriores de acordo com as regras da grafia gótica: lat. Cautio é escrito em gótico como kawtjo, onde o ditongo latino não é registrado por meio de au, mas por meio de aw, o que significa que o dígrafo au não era mais usado para transmitir o ditongo. ​ 3) No manuscrito de Alcuíno, a palavra libaida “viveu” é traduzida como libeda com o comentário do autor: “diphtongon ai pro e longa”, o que implica que aqueles ditongos que se tornaram monotongos passaram a denotar um som de vogal longa, ao contrário a monotongos já existentes, que indicam vogal curta. ​ 4) Nos pequenos materiais preservados de outras línguas germânicas orientais, este processo é fixado por escrito: - Vandálico “froja” = Gótico “frauja” - Hepidiano "sterno" = Gótico "stairno" ​ 5) Muitos filólogos e linguistas que lidaram com esta questão acreditam que o novo Alfabeto de Wulfila não poderia fornecer tal sistema de notação onde o mesmo sinal seria pronunciado tanto como um ditongo quanto como uma vogal simples. Nota: neste caso, para a transmissão de ditongos (au / ai) em gótico utiliza-se (aw / aj), respectivamente.

Nos casos em que após o dígrafo é uma vogal, eles são lidos da seguinte maneira: ai - antes de (a) “saian” [saan] - “a” longo; au - antes de (a / i) “bauan” [bån], lê-se como sueco “å” [oa] / “sauil” [såil];

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Organização:

- Artigos de associação
- Estamos na wikipedia
- Sobre nós
- Estrutura de organização
- Atividades da organização
- Aderir à organização

Contate-Nos:

- Estamos em discórdia
- Estamos no Facebook
- Nós somos Vkontakte

gutawigs@gmail.com

3234 - копия.jpg

Fique ligado nas últimas notícias sobre o renascimento da língua gótica:

- Benefício universal
- Dicionário completo da língua gótica